Seja bem vindo e visite à vontade!


Agradecimentos e lamentações

Encontrado um jeito de parar de amolar as pessoas, afinal, ninguém é obrigado a ouvir as lamentações e desgostos de ninguém: providencie os baús!! Um baú azul e um baú rosa. Um verde e um laranja. Um roxo e um cinza. da cor que você quiser, desde que sejam diferentes.

Um para agradecimentos (que seja o maior), e um para lamentações. Em pedaços de papel reciclado (que é mais bonito), escrever as lamentações do dia, que pode ser até aquele tropeção nas obras da calçada da Av. Paulista que furou o all star laranja (ai que ódio!). Depositar no baú pequeno e esquecer de uma vez isso. Nem mais um pio sobre o assunto! Afinal, tudo acontece porque deveria acontecer.

No maior, mais bonito e colorido, também escrever em pedaço de papel reciclado as coisas boas do dia e antes de dormir, ao acordar, no tempo livre, na hora que for, ler, reler, reler, reler e sempre agradecer. Pode ser até aquele sorriso que uma criança lhe direcionou de manhã. O mais simples é o mais tocante.

Meus baús estão ativos. O pequeno, sem vida, xoxo, está com a reclamação do tropeção. O grande, lindo, potencial e colorido, com a experiência fascinante que pude vivenciar com as danças circulares. O que você vai escrever pros seus baús? Indifere, desde que aprenda a usá-los corretamente...

Danças Circulares. Dançar de mãos dadas gera uma energia sem igual. Ignora cor, tamanho, classe, ritmo, sexo, religião, caráter. É impressionante e pronto. É fascinante e ponto. E todo mundo deveria ter a oportunidade de experimentar... de quartas e sextas, até 29/02, 19h30 às 21h00 no Sesc Santana isso será possível. Caso haja incompatibilidade de horários, procure as danças aos docmingos às 10h00, nos parques da cidade. Luz, Água Branca, Ibirapuera e Trianon recebem a ciranda com amor, alegria e solidariedade... Se dê esse presente e comece seu baú de agradecimentos com o pé direito!!



Escrito por Mariana às 18h52
[ ] [ ]


Fidel na Av. Paulista, no dia em que renunciou

Eis que Fidel renunciou... quantas surpresas nesse ano que estamos hã? Sai um de 81 pra entrar um de 76... ô meu Deus, o que o mundo deve aguardar???

Sei que, em homenagem, por coincidência ou qualquer coisa do tipo, ontem tive o prazer de conhecer um cinema de SP, o GEMINI, assistindo o filme A CULPA É DO FIDEL. Ambientado na década de 70, o caos é mostrado através da visão de uma garotinha de 9 anos, cujos pais se tornam comunistas depois de um atentado (político) ter matado o cunhado.

Acostumada com uma vida 'comum', com reuniões familiares aos domingos, escola de freiras, com ensino rígido e religioso e uma casa confortabílissima, com um imenso jardim, ANNA se ve obrigada, pelas novas convicções de seus pais, a se mudar para um apartamento pequeno, abrir mão dos costumes e lidar com a relutância das amigas da escola, uma vez que insistindo em continuar no colégio religioso, deve abandonar as aulas que mais gostava: catecismo. ANNA é esperta e atenta. Sua sorte é ter pais abertos à comunicação, mas isso  não significa que ela atende às expectativas dos mesmos. Se revolta, apesar de amá-los, e tenta entender tudo o que acontece ao seu redor. E não é fácil.

Comovente, criativo, sensível e adorável. A Culpa é do Fidel superou as expectativas que eu já alimentava. Indicação extraordinária. Adoro filmes políticos e ter a opção de ver um que não caia na redundante questão das guerras, é fascinante.

O filme, em SP, está em cartaz no Gemini e no Cine Arte Lilian Lemmertz. Mas o Gemini tem vantagens. Além de ser super aconchegante, fica na Av. Paulista (totalmente acessível), não é dos mais caros e está com uma promoção imperdível: podemos comprar ate 2 ingressos antecipados (por pessoa), pagando apenas R$ 4,00, para qualquer sessão e dia da semana. São válidos por 30 dias. R$ 4,00 é mais barato que muita meia-entrada por aí... melhor aproveitar... e também tem uma cortesia na bomboniere: balinha de goma ou paçoca, fica a seu critério!



Escrito por Mariana às 09h25
[ ] [ ]


Santa (ou maldita?) Ignorância

Quando eu era pequena, eu tinha a família perfeita: sem problemas financeiros, pais casados e felizes, amigos que julgava ser sinceros e divertidos e aos fins de semana, íamos ao clube. Melhor que isso? Pra mim, não havia.

A biblioteca era o meu segundo lugar favorito no clube (o primeiro era a piscina, rs). Lá, aprendi letras, histórias e fantasias. No carnaval, desfilava no bloco do clube e nossa, quantos amigos eu tinha, mas eram todos da mesma cor: brancos. Mas quando tomavam muito sol, eram rosados. Nunca me perguntei se existiam cores e tipos diferentes, afinal, meu mundo se resumia ao clube.

Um pouco mais crescida e com a curiosidade aguçada, notei que o treinador do time de futebol era de outra cor. Linda, lustrosa, radiante e completamente o oposto do que eu conhecia: era negro. Percebendo que era o único, questionei papai a respeito que me informou que nosso clube era judeu e não aceitavam negros lá. Perguntei o porque, e ele não soube (ou me poupou) responder.

Vivendo e aprendendo, notei que era uma atitude preconceituosa. E desde então, eu levantei uma bandeira contra o preconceito de todo e qualquer tipo. Meu sonho? Ter um filho de cada cor e cada jeito, pra aprender as diferenças desde cedo... Um mundo em que sejamos julgados pelas atitudes, não pelo gosto pessoal ou cor de pele.

Essa semana algo me fez relembrar a infância e o clube judeu: Fui ao centro da cultura judaica para conferir o filme (ótimo), As Leis de Família. Para passar o tempo, fui ver exposição fotográfica de povo judeu. Qual não foi a minha surpresa ao ver expostas fotos de judeus negros!! Quase caí pra trás. Poxa, se existem judeus negros porque a discriminação no clube? Judaísmo é uma religião e como tal, existem sim os seus defensores e julgadores. O que me chamou mais atenção, é ver gente pobre dessa religião! Até então eu tinha a visão de brancos ricos, e vi negros e brancos pobres... chocante!

Senti a ignorância me habitar e notei que nada conhecia sobre o mundo... apesar de sempre sair, curtir e me alimentar de cultura, a história é o meio mais fascinante de conhecer o que quer que seja... resolvi, então, estudar. Mas à minha maneira. Não farei faculdade ainda, falta grana e não sei o que seguir... mas vou dividir meu tempo livre em passeios e estudar povos, culturas, religiões e mais coisas do gênero. Não quero mais ser chocada com situações assim, constrangedoras...

Serviço: www.culturajudaica.org.br



Escrito por Mariana às 12h35
[ ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu perfil





BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Mulher, de 20 a 25 anos, Arte e cultura, Cinema e vídeo
MSN - maritegani@hotmail.com



Meu humor



Histórico


Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 Culturando.com
 Arte Free
 Centro Cultural
 São Paulo - informação
 Sesc - SP
 Mari no orkut!!
 Metrô
 São Paulo cultural
 Ideias e Ideais
 Blog da FPA
 Fdemocratico
 Mundinho Biola
 Tele-visão
 Quase amor
 Livro sem final
 Casa do Simeão
 Milton Ayres
 Várias Vertentes
 Vale da Solidão
 Formato Híbrido
 Jornal da Lua
 Luis Antonio
 Margaridas na Janela
 Do absurdo ao suicídio
 Janio Dias
 Psyqué
 Cafe no Cafofo
 Minha Republiqueta
 Tudo o que eu sinto